Teatro
6..Outubro a 6..Outubro
Teatro
A Última Estação - Elmano Sancho
Sábado_21h30
Cine-Teatro Avenida

A minha semelhança física com Ted Bundy (1946-1989) é o ponto de partida para uma reflexão sobre a violência e o desejo de transgressão na vida (realidade) e na arte (ficção).
A exploração da função do dibbuk – na mitologia judaica, o espírito ou o demónio que habita o corpo de um indivíduo – permite expressar toda a ambiguidade da criação artística, oscilando entre a blasfémia e o sagrado. Através da convocação, possessão e incorporação do criminoso, o autor e intérprete foge a uma lógica de representação, livra-se a um ato transgressor, sacrificial e terrorista - eis o meu corpo, tomai e comei; eis o meu sangue, tomai e bebei– e insurge-se contra a euforia de uma sociedade reprodutora de frustrados, excluídos e vítimas que persiste em evitar o tema da perda, do sofrimento e da morte.
O discurso - grito do lobo solitário para comunicar com o outro e consigo mesmo - é um ato de resistência e de revolta contra a cultura de massas, a hipocrisia, a repressão, a indiferença, a impotência e o desencantamento. Constitui uma ameaça real e manifesta-se através da perpetuação das ruínas, dos detritos, dos restos, dos corpos e almas apodrecidos, massacrados, mutilados, violados e esquecidos. Mas a linguagem violenta e agressiva, disfarce falível das personagens sensíveis para sobreviver no mundo contemporâneo da violência, não leva à salvação.
A tragédia – canto produzido aquando do sacrifício de um bode – segue o seu curso numa cerimónia que apresenta os contornos da Via Crúcis, as estações da Paixão de Cristo: a condenação à morte anunciada abre caminho a uma via dolorosa que culmina na inumação, mas que aspira à ressurreição, a XV e última estação.

Ficha Artística e Técnica
Autoria | Elmano Sancho
Interpretação | Elmano Sancho, Filipa Correia, Helena Caldeira, Marta Correia e Teresa Vaz
Espaço cénico e figurinos | Renata Siqueira Bueno com a colaboração de Roberto Bueno e Liana Axelrud
Desenho de luz | Alexandre Coelho
Produção executiva | Nuno Pratas
Coprodução | Culturproject e Lobo Solitário



M/16

Bilhete: 5€